Por Lugares Incríveis

23.3.15


POR LUGARES INCRÍVEIS
All The Bright Places

Escrito pela estadunidense Jennifer Niven, com 336 páginas e publicado no Brasil em 2015 pela Editora Seguinte.

Todos os planos de Violet Markey deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, sempre lidando com longos períodos de depressão. Enquanto Violet conta os dias para ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, também encontra Violet prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis de Indiana. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota que contava os dias, passa a vivê-los.



Nem sempre tenho o costume de fazer isso, mas por alguma razão desconhecida, antes de iniciar a leitura de Por Lugares Incríveis eu resolvi ler a nota da autora Jennifer Niven mais os seus agradecimentos. Não há realmente nada que possa ser levado diretamente como um spoiler nessas partes, mas de certa forma, lê-las me deixou preparada para o que estava por vir. Lê-las me fez enxergar e aceitar o final desse livro para além dos rótulos de um final feliz ou de um final triste.



Por Lugares Incríveis é narrado em primeira pessoa, intercalando os pontos de vista dos protagonistas, Violet e Finch, ambos lutando para superar a situação desesperadora que os cerca. Com Violet nem sempre foi assim. Ela tinha uma vida normal, bons pais e uma irmã com quem compartilhar seus sonhos e projetos. Mas sua irmã morre em um acidente de carro, e Violet, de luto profundo, passa a enxergar a vida de outra forma, apenas sobrevivendo, sem de fato encontrar a força ou o apoio para voltar à superfície.

Já Theodore Finch não quer voltar à superfície. Ele tem consciência de que já afundou o bastante, marcado pelos longos períodos de depressão, a incompreensão dos seus colegas na escola por seu jeito esquisito e rebelde e, principalmente, pela convivência com o seu pai agressivo e bipolar. E, por isso, Finch coleciona e pesquisa diversas maneiras de cometer suicídio e fugir de quem ele pode se tornar.



Esses são os exteriores de Violet e de Finch que todo mundo consegue ver, mas através da narrativa da Niven, os dois vão se tornando personagens mais fortes ou complexos do que parecem à primeira vista. Violet não é mimizenta. Ela carrega o seu luto como um fardo por se sentir responsável pela morte da irmã. E Finch... Finch é encantador, com todos os seus defeitos e personalidades. E é bom ver personagens masculinos sendo retratados mais por essa questão do interior complexado do que pela quantidade de músculos e/ou charme que eles têm. Quem já leu Proibido e se apaixonou pelo Lochan, com certeza vai gostar do Finch também.  



O ritmo de leitura de Por Lugares Incríveis também é bem rápido e viciante enquanto o romance entre o casal protagonista vai se desenvolvendo. É muito bonito de acompanhar, e mais bonito ainda são as andanças de Violet e Finch pela pequena Indiana e seus lugares incríveis que quase sempre passam despercebidos pela maioria das pessoas - e isso em qualquer lugar. Dessa forma, o livro também aborda o poder de recuperação que a gente pode encontrar nas pequenas coisas.



Outra temática forte nesta história é a do suicídio, e esse assunto foi tratado de um forma singular, nem densa nem poética demais, nem leviana nem doutrinadora, mas ainda assim capaz de fazer muitos jovens refletirem ou se identificarem. Acho que de certa forma, o livro todo prepara o leitor para o final, e achei também que foi um final escrito para ser delicado e libertador, não para fazer chorar. É bem mais do que um final feliz indiretamente triste ou vice-versa, até porque todo acontecimento forte ou inesperado o bastante deixa marcas difíceis de apagar; a diferença está no que você faz com essas marcas. A Jennifer Niven usou as suas para escrever esse livro e ajudar outras pessoas.

"O que importa não é o que a gente leva, mas o que a gente deixa." [pág. 316]

"As pessoas raramente levam flores para um suicida." [pág. 321]

"Às vezes há beleza nas palavras difíceis - só depende da maneira como as lemos." [pág. 278]

You Might Also Like

9 Bilhetes

  1. Eu estou louca pra ler esse livro, e depois dessa resenha eu fiquei com mais vontade *-*

    http://coracao-de-leitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Ai ai Tici! Só li resenhas mega positivas desse livro e estava muito empolgada e ansiosa para ler, mas eu meio que também presentia o final e depois que você confirmou pra mim, minhas vontade de ler, na verdade eu me sinto como se conhecesse os personagens já e carregasse aquela tristeza melancólica por eles, sabe? Já sei qe vou me apegar absurdamente ao Finch e seu jeito retraído, e curto muito quando os autores quebram esses esteriótipos de representação dos personagens, o livro ganha muitos pontos por isso! O que posso dizer é que minha sanidade depende de eu ler esse livro logo porque estou louca para passear por esse lugares incríveis e aprender com esses personagens.
    E queria dizer que alguém deveria te dar o prêmio de melhor resenhista do mundo porque alguém que escreve algo como "todo acontecimento forte ou inesperado o bastante deixa marcas difíceis de apagar; a diferença está no que você faz com essas marcas. A Jennifer Niven usou as suas para escrever esse livro e ajudar outras pessoas." merece nada menos do que um abração e um troféu lindão!
    Beijão, linda <3
    http://vanille-vie.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Tici!!
    Já tem um tempinho que só leio coisas positivas a respeito desse livro. Achei interessante o seu movimento de leitura e como você meio que se conformou com a narrativa por ter lido os agradecimentos.
    Sua resenha está tão perfeita e bem escrita que nos dá um noção do tipo de sentimento que esse leitura despertará no leitor. Ao mesmo tempo dá pra perceber que apesar do tema complicado que permeia o livro é possível encontrar leveza e conforto nessa narrativa.

    Beijos
    Espero sua visita =)
    http://numrelicario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oie,
    já ouvi falar muito sobre este livro, mas ele ainda não me chamou atenção para que eu fosse comprar. Estou esperando aparecer uma troca legal rs

    bjos
    http://blog.vanessasueroz.com.br

    ResponderExcluir
  5. Não tem jeito, mais cedo ou mais tarde a vida deixar marcas profundas.... E, realmente, a diferença está no que fazemos com essas marcas...
    Lindo, garota! :)
    Bjs, Lu
    http://resenhasdalu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu já disse que seu blog está lindo?
    Se sim, vou dizer de novo, está lindo.

    Não sei porque, mas esse livro é a cara do meu amigo.
    Vou recomendar para ele e ver o que ele acha.
    Ótima resenha.

    http://formula-amor.blogspot.com.br/2015/03/sorteio-1-zaphir-guerra-dos-magos.html

    ResponderExcluir
  7. Oie!
    Tenho interesse nessa leitura, mas essa questão do suicídio me deixou com o pé atrás...
    Bj!
    http://meuhobbyliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Gente que capa mais gracinha! Eu adoro esse tipo de livro e obrigada pela sua resenha! Eu nao o conhecia e fiquei em interessada em ler.

    xx Carol
    www.carolespilotro.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Tici,
    Estou doida pra ler esse, a história parece ser tocante e cheia de mensagens bonitas, adoro.
    E essa capa, eu adorava montar esses castelinhos haha minhas primas tinham as peças... ai *.*

    Já ta na lista!

    bjs e tenha uma ótima quinta
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir

Copyright

Todas as fotografias e textos publicados são produzidos pela equipe do Feito Poesia, exceto quando sinalizado. Por favor, não copie nenhum deles sem a devida autorização dos autores. Todos os direitos reservados.


Seguidores